A Magia do Vale das Furnas


Hoje regresso, por breves momentos, aos Açores. Rever e colocar aqui as fotografias da viagem fez-me viajar no tempo e no espaço e voltar àquele que foi para mim um dos locais mais mágicos de São Miguel: as Furnas. Nesta cratera com sete quilómetros de diâmetro (última memória de um vulcão adormecido desde 1630) a comida pode ser cozinhada dentro da terra e das caldeiras brotam géiseres de água a ferver e a fumegar. E é inevitável: sentimo-nos, respeitosamente, mais próximos das origens e entranhas da terra. 

Casa do Lagoa

Começo na margem sul da maravilhosa Lagoa das Furnas, numa paisagem idílica, onde se localizam a Casa da Lagoa e a Casa dos Barcos. Com as suas cores suaves,  seriam o cenário perfeito para um filme romântico. Funcionando hoje em dia como casas para arrendamento turístico, valem bem uma passagem e uma fotografia.  

Um pouco mais à frente, a Ermida da Nossa Senhora das Virtudes ergue-se na paisagem tranquila de uma forma inesperada. De estética gótica e construida em basalto, aqui que se encontra sepultado José do Canto e a sua esposa, uma das famílias mais importantes e influentes nos Açores.



Ermida de Nossa Senhora das Virtudes
Casa dos Barcos

A escultura do viajante dá o mote para um dos trilhos mais bonitos que fizemos, sempre a subir até ao Miradouro do Pico do Ferro por uma floresta densa, húmida e com espécies exóticas.





Este trilho, com cerca de 6,5km de comprimento, é uma aventura imperdível, não aconselhada a quem não gosta de desafios físicos.  Pelo caminho formos encontrando alguns amigos de quatro patas, tão afáveis e amistosos como os próprios açoreanos. 



Lagoa das Furnas

Passamos também pelo bonito e cuidado jardim D.Beatriz no Canto, apenas aberto ao público durante o mês de agosto, e dirigimo-nos para o Parque Terra Nostra, um repositórios único de espécies de árvores e plantas de todo o mundo, onde se encontra uma das maiores coleções de camélias que existe e uma alameda de Ginko Bilobas centenárias. 



Jardim Beatriz do Canto



O tanque termal, mesmo ao centro, é um ex-líbris, e um banho a 40 graus nas águas carregadas de ferro e sais minerais é a melhor oportunidade para relaxar e entrar em contacto com a natureza mística das Furnas. 





O dia termina ao pé do Furnas Boutique Hotel, onde jantamos, onde ao lado, as caldeiras em permanente ebulição, nos recordam para sempre as origens vulcânicas desta ilha mágica.





Imagens Homes in Colour
SaveSave
SaveSave

Sem comentários