Styling com flores selvagens

Não saberia como reconciliar-me com as coisas, não fosse
cada instante arrancar-se ao tempo
para me dar um beijo.
Cioran


Adoro este pequeno pensamento/poema do Emil Cioran (escritor e filósofo romeno que se radicou em França na década de 40) com que decidi começar o post de hoje. Se a memória não me falha, encontrei-o nas páginas de um livro que li há uns anos e que me tocou particularmente: "A Delicadeza" do David Foenkinos, conhecem? É um romance que narra a história de Nathalie que de um dia para o outro vê a sua vida mudar tragicamente de rumo quando o destino, num duro golpe, quis que o seu companheiro de vida morresse (repentinamente) atropelado. A sua dor parece prolongar-se eternamente, mas página a página vemos a nossa jovem heroína sarar as suas feridas , reconciliar-se com a vida e no final, voltar a ser feliz.


Em momentos de crise (naqueles em que também eu me sinto irremediavelmente irreconciliada com a vida) sinto que a poesia é aquele beijo que Cioran fala que se arranca ao tempo para me ajudar a pacificar com a vida. Por isso, recorro a ela com frequência e nunca está muito longe de mim um livro, uma frase inspiradora.


Poético e inspirador é também este pequeno print que decidi incluir nas fotos de hoje juntamente com as minhas peças, e que comprei há pouco tempo na Vissevasse, um estúdio de design sediado em Copenhaga que tem um talento particular para criar produtos gráficos com uma forte componente poética e de storytelling. Este print faz parte de uma parceria que ele fizeram com a fotógrafa australiana Vee Speers que tem um trabalho super interessante, ora espreitem aqui. Para além deste comprei mais dois pois não consegui escolher só um; são todos mesmo muito bonitos!


E relação às plantas que utilizei para o styling de hoje decidi, pela primeira vez, ir apanhar as minhas próprias flores/plantas. Nos últimos dois anos tenho sido sempre super fiel a uma loja no Mercado da Ribeira que na minha opinião é o melhor sitio em Lisboa para comprar flores (não me lembro do nome, mas quem está virado para a entrada principal é a loja que fica logo ali no lado esquerdo) mas estar sempre a comprar flores não é barato. Por isto, no fim de semana que passou, peguei nas pernas, num saco e na minha tesoura de poda e fui até Monsanto ver o que a natureza me tinha para oferecer.


E a verdade é que fiquei agradavelmente surpreendida com a quantidade de vegetação bonita que encontrei (perfeita para o tipo de fotografias que gosto) e com a experiência agradável que foi ir apanhar plantas diretamente à mãe natureza, que tenho a certeza que não se chateou por lhe ter roubado uns raminhos.

Imagens Homes in Colour

Peças de cerâmica Homes in Colour

Aproveito também a oportunidade para justificar um pouco a minha ausência por aqui. Desde que criei o blog que nunca estive tão ausente como nos últimos dois meses, mas a cerâmica tem-me roubado todo o tempo e também alguma disponibilidade mental (confesso que nunca pensei que fosse tão difícil e que me trouxesse tantos desafios!...). Mas fico feliz por saber que ainda estão desse lado, obrigada!❤️
SaveSave

Sem comentários