Comprometidos

Não há maior risco que o matrimónio,
mas não há nada mais feliz do que um casamento feliz.
Benjamin Disrael, 1870
(numa carta para a filha da rainha Vitória, Louise, a felicitá-la
pelo seu noivado)


Há umas semanas atrás tive o privilégio de ir ao casamento de um amigo do Rui que se realizou num sítio maravilhoso: o Hotel Areias do Seixo. Já tinha ouvido algumas pessoas falar bastante bem do local (por isso as expectativas estavam altas) e não foram de todo defraudadas (muito pelo contrário). Rodeado de mar, dunas e pinhal, o espaço (com a sua bonita arquitetura contemporânea) é realmente único, e com a decoração que foi feita especificamente para o evento ficou especialmente bonito.
Sê do amor (um pouco)/ mais cuidadosa do que de tudo o resto.  Cummings 


Apesar de não sermos casados, uma vida em conjunto há mais de 5 anos, dá-me a mim e ao Rui praticamente esse estatuto.  Do lado dos amigos dele (os médicos) todos praticamente se casaram. Do meu (os artistas) conto pelo dedos de uma mão quem decidiu dar esse passo (e não chego a ocupar a mão toda). Se em muitos outros assuntos temos opiniões diferentes e discordamos, no que toca ao casamento nunca houve dúvidas de que não iria acontecer entre nós (pelo menos por agora). No entanto, trato o Rui por marido e ele a mim por mulher e interiormente estamos totalmente comprometidos um com o outro.
Nada de novo por aqui, excepto o meu casamento, que, para mim, é um profundo milagre. Abraham Lincoln (numa carta a Samuel Marshall)


Sempre fui (e sou) uma romântica, mas o que sei que queria para a minha vida era encontrar um grande amor mais do que celebrar um grande casamento (embora adore casamentos). E justamente por gostar tanto, às vezes pergunto-me se casar iria alterar alguma coisa na nossa relação e pergunto-me (em silêncio) se estaremos a perder alguma coisa de fundamental. Mas depois respiro fundo, oiço a minha intuição e ela diz-me que não. Diz-me que a felicidade e sucesso conjugal depende acima de tudo das pessoas que a constituem e que assim nada nos prende para além da vontade de estarmos juntos.


Mas uma coisa é certa, hei-de sempre gostar de ir a casamentos e em todos eles faço sempre interiormente uma renovação dos meus laços como o Rui (mesmo sem lhe dizer).

Hoje, o problema que não tem nome, é como conseguir conciliar trabalho, amor, casa e filhos. Betty Friedan, The Second Stage

Imagens Homes in Colour

Instagram @homes_in_colour

Sem comentários