Homes in Colour

Live beautifully . Live creatively

Search

As minhas Gatas são as minhas Gurus

Se cruzássemos um homem com um gato,
o homem sairia a ganhar,
o gato a perder.
Mark Twain


Não consigo deixar de escrever este post com um sorriso nos lábios e uma pequena gargalhada a querer saltar a cada palavra. Quem me conhece, sabe bem o enorme afeto que nutro pelas minhas duas gatinhas (a Bianca e a Lucy com quem partilho a minha vida há cerca de 9 e 7 anos respetivamente). Mas eu própria nunca imaginei que algum dia lhes dedicasse um post inteiro aqui no blog sobre as coisas que elas me têm ensinado ao longo destes anos (e que todos os dias me continuam a ensinar).


Enquanto escrevo, a Lucy está confortavelmente aninhada em cima do sofá da sala (um dos seus locais preferidos da casa) enquanto a Bianca preferiu enroscar-se no meu colo (mesmo que ligeiramente apertada) entre mim e a mesa com o computador (acho que o desconforto da posição é-lhe menor em relação ao conforto que sente por estar perto de mim).

(pequena nota: a Bianca está comigo desde pequenina, desde que a fui buscar a um gatil no Barreiro, e era a última gatinha que tinha sobrado da ninhada, depois de todos os irmãos terem sido adotados. A Lucy por sua vez, veio ter comigo já crescida, depois de uma vida atribulada pelas ruas, onde a fome, o frio e o medo devem ter feito parte da sua rotina diária durante vários anos. Acredito que se sinta feliz por ter encontrado um local seguro para viver. Obrigada Raquel por ma teres confiado).


Se os cães são consensualmente amados por todos, o mesmo já não se passa com os nossos amigos felinos, muitas vezes incompreendidos.

Adorados por uns (odiados por outros) e temidos por muitos, os gatos têm qualquer coisa de misterioso e enigmático que a mim me fascina. Preocupam-se sobretudo com o seu bem-estar,  vivem a vida de uma forma serena e tranquila, sabem colocar os seus limites e defender os seus interesses, e a esse nível têm muito a ensinar-nos (ou pelo menos, a mim).


No início Deus criou o Homem, mas,
achando-o demasiado frágil,
deu-lhe um gato

 - W A R R E N  E C K S T E I N


Ao contrário do que pensamos, são também mais parecidos connosco do que os cães. E porquê? Porque exigem respeito pela sua liberdade (e reagem quando isso não acontece); porque não dão amor incondicional a toda a gente (apenas a quem os trata bem); porque não gostam muito de ser obrigados a fazer coisas que não querem e, acima de tudo, porque precisam (e gostam) de ser conquistados (qualquer semelhança connosco não é pura coincidência).


E por isso,  é muito mais fácil gostar de um cão (que nos adora cegamente) do que conquistar o afeto de um gato (que exige algum tempo e dedicação).


A diferença entre um cão e um gato:
O cão pensa: eles alimentam-me, eles protegem-me,
eles devem ser deuses.
Um gato pensa: eles alimentam-me, 
eles protegem-me,
eu devo ser um deus.

- I R A  L E W I S 

Essencialmente (e de uma forma muito resumida) as minhas gatas ensinam-me diariamente  a preocupar-me menos e a desfrutar mais.

Tenho a certeza que nenhuma das duas se preocupa particularmente com as tragédias do mundo,  não estão propriamente preocupadas se estão mais gordinhas ou mais magrinhas (eu por acaso estou, porque ambas estão a ficar umas bolinhas, mas esse é outro assunto), se a bolsa vai ter um crash amanhã, se vão agradar às visitas que recebo cá por casa, ou se vão conseguir pagar as contas ao final do mês.


Gostam muito de dormir (já somos três), procuram sempre o conforto e o aconchego, comem com prazer, e em geral deixam a vida fluir e desfrutam do momento presente. E com isso, todos os dias me relembram de ser também um pouco mais assim.

(Nos dias de maior stress e confusão na minha vida, quando ando de um lado para o outro aqui em casa numa correria, há qualquer coisa em mim que secretamente inveja a tranquilidade (e ligeira condescendência) com que as duas olham para mim com os seus bigodes longos, bocejam vagarosamente e me dizem (sem palavras) "Não vale a a pena andares assim. Está tudo bem, e se não está, tudo se resolve").

Dediquei muito tempo ao estudo dos
filósofos e dos gatos.
A sabedoria dos gatos
é infinitamente superior.

- E S O P O


Ensinam-me também outra grande e importante lição que todos os dias tento transportar para a minha vida e para a minha relação com as outras pessoas: o respeito total e absoluto pela liberdade do outro. Porque elas (mais do que ninguém) me ensinam que não posso fazer tudo o que quero (e que se o fizer, pode ter um preço), e que não as posso obrigar a nada que não queiram.

Ao convivermos com um gato, o único risco que
corremos é o de ficarmos mais ricos.

- S I D O N I E - G A B R I E L L E   C O L E T T E


E por isso, são talvez estas as características que mais aprecio naquelas que me escolheram para partilhar a sua vida:

-  São super afetuosas mas ao mesmo tempo independentes
-  Sabem o que querem
-  Sabem desfrutar da vida
-  Sabem dizer que não
- Têm confiança em si mesmas
- Têm carisma
- Gostam de tranquilidade
- Escolhem quem as rodeia
- Brindam-nos com a sua confiança
- São sempre prudentes
- São fiéis a quem gostam
- São sempre honestas
- São silenciosas e observadoras
- Focam-se no essencial
- e divertem-se (com quase tudo)

(Inspirado no livro Meu Gato, meu Guru)

Imagens Homes in Colour

P.S. Não pensem que com este post estou a demonstrar uma preferência pelos gatos em relação aos cães (mas é que infelizmente cá por casa já não há muito espaço (nem muito tempo) para mais um amigo de 4 patas. Mas um dia, hei-de arranjar um para cuidar.)