Lugares de Passagem


No fim de semana passado fui novamente ao Porto. Fui ver a exposição do Miró a Serralves  (e passear nos seus encantadores jardins que nesta altura do ano estão ainda mais bonitos), fui tratar de uma parceria com a Pepaa Studio (para quem não viu, pode ficar a conhecer este bonito Showroom aqui), fui ver a exposição Sleep In, e fui estar com amigos. Adoro o Porto, e como já o começo a conhecer um pouco melhor, já me sinto um pouco em casa quando lá vou. O que é uma ótima sensação, a de familiaridade com um espaço ou lugar.

Adoro andar de comboio (sempre gostei) e apenas num fim de semana acabei por fazer várias viagens. Fiquei em casa de uns amigos na Granja, pelo que uma delas foi daí até ao Porto. A viagem -se faz lindamente e demora apenas alguns minutos. No entanto, a falta de verificação do horários dos comboios ao fim de semana (para a próxima não me irei certamente esquecer!) obrigou-me (numa das vezes) a uma espera de quase cinquenta minutos, em vez dos desejados dez ou quinze.

Imagem Homes in Colour

Aproveito para tirar algumas fotografias, pensar um pouco, começar a escrever este post e sentir um pouco aquele lugar. Geralmente estes locais de passagem (estações de comboio, terminais de aeroporto, hoteís, estações de serviço) nunca são por nós devidamente apreciados, sentidos ou vividos. Passamos por eles de raspão, sempre com pressa e ânsia que nos levem a um outro lugar. Acabamos por nunca lhes descobrir qualquer tipo de encanto ou beleza. No entanto, quantas pessoas passam por eles!...

Imagem Homes in Colour

Enquanto espero lembro-me de um capítulo do livro "A Arte de Viajar", de Alain de Botton, chamado justamente "Lugares de Passagem". Como ele diz:

"De todos os meios de transporte, talvez seja o comboio o que melhor e mais auxilia o pensamento:
a vista que se nos oferece é isenta dessa monotonia potencial que caracteriza as viagens 
de barco ou de avião; move-se com rapidez suficiente  para a impedir de se tornar exasperaste,
mas também com lentidão suficiente para nos permitir que reconheçamos os seus objetos. Proporciona-nos breves fragmentos de existência íntima que nos inspiram (..)"

Talvez seja por isso que sempre gostei tanto deste meio de transporte, porque me proporciona, ao longo de uma paisagem sempre diferente e à qual nem sempre tenho acesso, momentos de reflexão únicos. Andar de comboio dá-me tempo para pensar e sentir. Duas das coisas que mais sinto como importantes na minha vida.

Imagem Homes in Colour

Sem comentários